29 de ago de 2010

há sempre um lado leve e há sempre tudo aquilo que eu nunca nem quis saber o peso. há sempre uma dor latente e um sorriso saltitante como o calafrio que chega sem avisar e faz despencar a lágrima. eu ainda tento acreditar na sensibilidade mesmo que o mundocaótico me leve para a Estação da Luz. mesmo quando eu vejo a linda contradição do feio que só me diz. existe tanto ar e pressão no mesmo lugar. existe tanto amor e desamor numa mesma coisa. o que realmente me faz flutuar é o coração e o que ele me diz. me diz me diz. plagiando, como ser feliz?

12 de ago de 2010

Detalhe do livro de bordo "A sociedade de Consumo", Serigrafia, 2010.
flertar com a alegria. tosar o cabelo. rebelar-me. esquecer o depois e o antes. mergulhar num infinito (ou ínfimo) respiro. ar. ar. ar. sorte azar. destino. tudo o mesmo. cansada da covardia reta da defesa. eu sou da resistência. acoada como pata. mas ciscando como galo em território inimigo. quando o estômago me avisa é hora de voltar a ser humano. não alcanço as pessoas livres. ainda me perco no maldito labirinto dos homens de má fé. ah, flertar com a alegria. sorrir para o bandido. ar.ar.ar. estúpida e satisfeita com um sorriso de girafa na cara.

11 de ago de 2010


Foto de Raul Zito para o site G1

Ontem tive o prazer de ver o Robert Crumb na Livraria da Vila, num bate-papo com seu amigo Shelton (do Freakbrothers) e com Caco Galhardo (adoro!).
O Crumb é ótimo, faz qualquer louco se sentir a vontade :)
Ele é desajustado, mal-humorado, mal-educado, socialista, "ex-drogado", odeia o EUA, seu país de origem, odeia flashs e autógrafos. Não tem que ser nada, fazer nada e nem dizer nada para agradar.
É um artista original, inspirado e debochado que definitivamente não tem a mínima intenção de se encaixar dentro de qualquer padrão ou rótulo.
Um ser humano livre, coisa raríssima.

5 de ago de 2010



preguiça paralisante.
apenas ser vivo assisto animalplanet.
os cavalos marinhos melhores amantes.
os coelhos uns safados com ejaculação precoce.
o sofá minha toca.
descanso para ter forças para migrar.